Três ossadas de brasileiros desaparecidos são encontradas na fronteira | TNG Informa - Informação com responsabilidade!
Pausa para o descanso!

O TNG Informa comunica a todos que estará em recesso no período de 12/12/2017 a 15/01/2018. Em virtude disso, desejamos a todos um Feliz Natal e um 2018 repleto de realizações.
Ok! Entendi ›
© TNG Informa Comunicação. Informaç&aatilde;o com responsabilidade! Todos os Direitos Reservados
Bella Vista Norte-PY
Três ossadas de brasileiros desaparecidos são encontradas na fronteira
Vítimas foram enterradas na zona rural de Bella Vista Norte.
24 de Agosto de 2018 às 17:06:42 Renan Nucci/Correio do Estado 119 Facebook Google+ Twitter WhatsApp
180824-py.jpg
Polícia durante escavações ontem à tarde (Foto: ABC Color)

Três ossadas que seriam de brasileiros desaparecidos foram encontradas na tarde de ontem, em uma área de mata na zona rural da colônia Sargento Duré, em Bella Vista Norte, cidade paraguaia na linha internacional com o município sul-mato-grossense de Bela Vista.

 

Equipes da polícia do Departamento de Amambay e funcionários do Ministério Público foram ao local após denúncias e, durante escavações, encontraram ossos das vítimas e documentos em nome de José Raimundo Gomes Serra, de 36 anos, morador em Goiânia (GO).

 

A suspeita é de que as vítimas tenham sido alvo de acerto de contas do crime organizado que age na fronteira, e tenha sido mortas e enterradas de uma só vez. Os ossos foram apreendidos e encaminhados para exames que, apesar do documento encontrado,  confirme as identidades.

 

TRANSFERÊNCIA

 

De acordo com o jornal ABC Color, do Paraguai, o juiz de Capitan Bado, cidade na fronteira com Coronel Sapucaia, no Mato Grosso do Sul, determinou ontem transferência imediata de   Márcio Ariel Sanchez Giménez, para a 4ª Delegacia de Polícia daquele município.

 

O preso, atualmente na Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, era chefe de segurança de Jorge Rafaat Toumani, morto em junho de 2016. Ele teria cobrado R$ 50 mil para matar um vereador de Capitan Bado e pagou R$ 10 mil para o pistoleiro que executou o crime.