Com decisão judicial, mulheres disputarão todas as vagas para PM e Bombeiros | TNG Informa - Informação com responsabilidade!
Pausa para o descanso!

O TNG Informa comunica a todos que estará em recesso no período de 12/12/2017 a 15/01/2018. Em virtude disso, desejamos a todos um Feliz Natal e um 2018 repleto de realizações.
Ok! Entendi ›
© TNG Informa Comunicação. Informaç&aatilde;o com responsabilidade! Todos os Direitos Reservados
Concurso
Com decisão judicial, mulheres disputarão todas as vagas para PM e Bombeiros
Antes, das 614 vagas apenas 91 estavam disponíveis para as candidatas.
29 de Agosto de 2018 às 17:29:35 L. Abreu/Correio do Estado 66 Facebook Google+ Twitter WhatsApp
180829-concurso.jpg
Concurso da PM já foi realizado e terá resultado divulgado no dia 10 de setembro (Foto: Divulgação)

Aguardando ser notificado pela Justiça, o Governo do Estado vai alterar o edital dos concursos para Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, retirando a limitação de vagas para mulheres, que passarão a concorrer por todas as 614 vagas em vez de apenas 91 delimitadas anteriormente. Ainda pode haver recurso na decisão, que será avaliada pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE).

 

De acordo com o secretário de Administração e Desburocratização (SAD), Édio Viegas, o principal dessa mudança é que não haverá mudança no calendário dos processos seletivos. A mudança vale tanto para o concurso da PM, já realizado, quanto para o do Corpo de Bombeiros, marcado para ser realizado nesse fim de semana.

 

“O ideal é não atrasar. A decisão determina a mudança no edital apenas em relação a concorrência. O que muda é a classificação. Agora é concorrência plena, antes as mulheres só disputavam 91 vagas nos dois concursos”, explicou o secretário.

 

Frisando que a mudança não deve alterar as datas, o secretário confirmou que o resultado do concurso da PM continua com previsão para o dia 10 de setembro.

 

Com a determinação da Justiça, há possibilidade de que os futuros processos seletivos tenham mudanças no edital e passem sempre a ter concorrência plena, sem limitar vagas para mulheres.

 

“Tem que haver uma discussão, inclusive na corporação. Nada impede que rediscuta”, resumiu.